Em formação

Giga base ou Giga byte

Giga base ou Giga byte


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

"relatamos sequência do genoma de ~ 2.66- Gb de"

"geramos 191,5 Gb de leituras de alta qualidade"

Estou muito confuso com essas duas linhas citadas e não tenho certeza sobre giga byte ou par de base giga.

e uma pergunta adicional: Como contar pares de bases de um arquivo FASTQ? Eu li números e comprimento.


Isso se refere a pares de bases.

O tamanho do arquivo não tem nenhum significado particular além de considerações práticas, visto que depende do formato. (Por exemplo, arquivos de 2 bits usam 2 bits por base, como o nome indica, em comparação com os 8 bits necessários para cada letra em um formato de texto simples como FASTA e derivados.)

Para sua pergunta adicional, (número de leituras * comprimento de cada leitura) fornece o comprimento total da sequência contida no arquivo. Não é realmente uma propriedade do formato do arquivo, mas um parâmetro da execução do sequenciamento.


Giga base ou Giga byte - Biologia

o byte é uma unidade de informação digital que mais comumente consiste em oito bits. Historicamente, o byte era o número de bits usados ​​para codificar um único caractere de texto em um computador [1] [2] e, por esse motivo, é a menor unidade endereçável de memória em muitas arquiteturas de computador. Para eliminar a ambiguidade de bytes de tamanho arbitrário da definição comum de 8 bits, documentos de protocolo de rede, como o protocolo da Internet (RFC 791), referem-se a um byte de 8 bits como octeto. [3] Esses bits em um octeto são normalmente contados com numeração de 0 a 7 ou 7 a 0, dependendo do endianness do bit. O primeiro bit é o número 0, tornando o oitavo bit o número 7.

byte
Sistema de unidadesunidades derivadas de broca
Unidade deinformação digital, tamanho dos dados
SímboloB ou (quando se refere a exatamente 8 bits) o

O tamanho do byte tem dependido historicamente do hardware e não existiam padrões definitivos que determinassem o tamanho. Tamanhos de 1 a 48 bits foram usados. [4] [5] [6] [7] O código de caracteres de seis bits era uma implementação frequentemente usada nos primeiros sistemas de codificação, e os computadores que usavam bytes de seis e nove bits eram comuns na década de 1960. Esses sistemas geralmente tinham palavras de memória de 12, 18, 24, 30, 36, 48 ou 60 bits, correspondendo a 2, 3, 4, 5, 6, 8 ou 10 bytes de seis bits. Nesta era, os agrupamentos de bits no fluxo de instrução eram frequentemente chamados de sílabas [a] ou laje, antes do termo byte tornou-se comum.

O padrão moderno de fato de oito bits, conforme documentado em ISO / IEC 2382-1: 1993, é uma potência de dois conveniente, permitindo os valores codificados em binários de 0 a 255 para um byte — 2 à potência 8 é 256. [8 ] O padrão internacional IEC 80000-13 codificou esse significado comum. Muitos tipos de aplicativos usam informações representáveis ​​em oito ou menos bits e os designers do processador otimizam para esse uso comum. A popularidade das principais arquiteturas de computação comercial ajudou na aceitação onipresente do byte de 8 bits. [9] As arquiteturas modernas normalmente usam palavras de 32 ou 64 bits, construídas de quatro ou oito bytes, respectivamente.

O símbolo da unidade para o byte foi designado como a letra maiúscula B pela Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC) e Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos (IEEE). [10] Internacionalmente, a unidade octeto, o símbolo o define explicitamente uma sequência de oito bits, eliminando a ambigüidade do byte. [11] [12]


Quantos gigabytes existem em um terabyte?

Gigabyte é um múltiplo do byte da unidade para informação digital com prefixo Giga. Um gigabyte é equivalente a 1.073.741.824 bytes ou 2 30 bytes em binário e 1.000.000.000 de bytes ou 10 9 bytes no sistema decimal. Existem também 1.048.576 KB ou 1.024 MB em 1 gigabyte na base 2.

Qual é a diferença entre um gigabyte e terabyte?

Terabyte é uma unidade de informação digital que consiste em 1.024 gigabytes. Também podemos dizer que um terabyte é igual a 2 10 GB na base 2. Embora haja 1.073.741.824 bytes em um gigabyte, um terabyte consiste em 1.099.511.627.776 bytes.

Quantos gigabytes existem em um terabyte?

Gigabyte é uma unidade de informação do computador que consiste em 1.000.000.000 de bytes no sistema decimal e tem o prefixo Giga. Por outro lado, um terabyte é uma unidade de medida de informação digital com prefixo Tera. E um terabyte consiste em 1.000.000.000.000 de bytes na base 10. Portanto, um Terabyte é mil vezes maior do que um Gigabyte.

Quantos GB equivalem a 2 terabytes?

Um terabyte é igual a 1.024 gigabytes na base 2. Quando multiplicamos 1.024 por 2, obtemos 2.048. Portanto, existem 2.048 gigabytes em dois terabytes.

Você pode usar nossa ferramenta online para converter terabytes em gigabytes.

Qual é o significado de 1 terabyte?

Um terabyte, que é uma unidade de informação do computador, consiste em 1.099.511.627.776 bytes, ou 1.048.576 megabytes, ou 0.0009765625 petabytes. Existem também 1.024 gigabytes em um terabyte. A maioria das empresas usa terabytes para medir suas capacidades de armazenamento.


Conversão de Gigabytes

Gigabyte é a unidade de informação digital com prefixo giga (10 9). 1 gigabyte é igual a 1.000.000.000 bytes = 10 9 bytes em decimal (SI). 1 gigabyte é igual a 1.073.741.824 bytes = 2 30 bytes em binário.

Você pode converter gigabytes para bytes, kilobytes, megabytes e terabytes para a base 10 (decimal) e a base 2 (binária) no formulário acima.

Para mais detalhes Conversão de GB, visite os conversores abaixo.

Você pode listar gigabytes valores para outras unidades de dados na Tabela de conversão de valores de Gigabytes.

um dos melhores sites que eu já visitei! é tão útil!

Muito bom! Usei isso para diminuir o tamanho do meu disco

Útil para trabalhar o armazenamento restante do NAS.

Bom trabalho em configurar isso para que possamos calcular facilmente.

Eu gosto disso - é um bom programa

Quando eu crio o partician no laptop, eu coloco 102400, ele torna o partician 99,9 gb se eu colocar 102402 faz 100 gb


Conteúdo

Editar memória principal

Os primeiros computadores usavam um de dois métodos de endereçamento para acessar o binário da memória do sistema (base 2) ou decimal (base 10). [3] Por exemplo, o IBM 701 (1952) usava binário e podia endereçar 2.048 palavras de 36 bits cada, enquanto o IBM 702 (1953) usava decimal e podia endereçar dez mil palavras de 7 bits.

Em meados da década de 1960, o endereçamento binário havia se tornado a arquitetura padrão na maioria dos projetos de computador, e os tamanhos de memória principal eram mais comumente potências de dois. Esta é a configuração mais natural para a memória, já que todas as combinações de suas linhas de endereço mapeiam para um endereço válido, permitindo fácil agregação em um bloco maior de memória com endereços contíguos.

A documentação inicial do sistema de computador especificaria o tamanho da memória com um número exato, como 4096, 8192 ou 16384 palavras de armazenamento. Essas são todas potências de dois e, além disso, são pequenos múltiplos de 2 10 ou 1024. À medida que as capacidades de armazenamento aumentavam, vários métodos diferentes foram desenvolvidos para abreviar essas quantidades.

O método mais comumente usado hoje usa prefixos como quilo, mega, giga e os símbolos correspondentes K, M e G, que a indústria de computadores originalmente adotou do sistema métrico. Os prefixos quilo- e mega-, ou seja, 1.000 e 1.000.000 respectivamente, eram comumente usados ​​na indústria de eletrônicos antes da Segunda Guerra Mundial. [4] Junto com giga- ou G-, significando 1 000 000 000, eles agora são conhecidos como prefixos SI [defn. 1] após o Sistema Internacional de Unidades (SI), introduzido em 1960 para formalizar aspectos do sistema métrico.

O Sistema Internacional de Unidades não define unidades para informação digital, mas observa que os prefixos SI podem ser aplicados fora dos contextos onde unidades básicas ou unidades derivadas seriam usadas. Mas, como a memória principal do computador em um sistema de endereçamento binário é fabricada em tamanhos que foram facilmente expressos como múltiplos de 1024, kilobyte, quando aplicado à memória do computador, passou a significar 1024 bytes em vez de 1000. Esse uso não é consistente com o SI. A conformidade com o SI exige que os prefixos tenham seu significado baseado em 1000 e que não sejam usados ​​como marcadores para outros números, como 1024. [5]

O uso de K no sentido binário como em um "núcleo de 32K" significando 32 × 1024 palavras, ou seja, 32 768 palavras, pode ser encontrado já em 1959. [6] [7] Artigo seminal de Gene Amdahl de 1964 no IBM System / 360 usou "1K" para significar 1024. [8] Este estilo foi usado por outros fornecedores de computador, o CDC 7600 Descrição do sistema (1968) fez uso extensivo de K como 1024. [9] Assim, o primeiro prefixo binário nasceu. [defn. 2]

Outro estilo era truncar os últimos três dígitos e anexar K, essencialmente usando K como prefixo decimal [defn. 3] semelhante ao SI, mas sempre truncando para o próximo número inteiro inferior em vez de arredondar para o mais próximo. Os valores exatos de 32 768 palavras, 65 536 palavras e 131 072 palavras seriam então descritos como "32K", "65K" e "131K". [10] (Se esses valores tivessem sido arredondados para o mais próximo, eles teriam se tornado 33K, 66K e 131K, respectivamente.) Este estilo foi usado por volta de 1965 a 1975.

Esses dois estilos (K = 1024 e truncamento) foram usados ​​livremente na mesma época, às vezes pela mesma empresa. Em discussões sobre memórias com endereços binários, o tamanho exato era evidente a partir do contexto. (Para tamanhos de memória de "41 K" e abaixo, não há diferença entre os dois estilos.) O computador em tempo real HP 21MX (1974) denotou 196 608 (que é 192 × 1024) como "196 K" e 1 048 576 como "1M", [11] enquanto o computador comercial HP 3000 (1973) pode ter bytes de memória de "64K", "96K" ou "128K". [12]

O método de "truncamento" diminuiu gradualmente. A capitalização da letra K tornou-se o de fato padrão para notação binária, embora isso não pudesse ser estendido para potências superiores, e o uso de k minúsculo persistiu. [13] [14] [15] No entanto, a prática de usar o "quilo" inspirado no SI para indicar 1024 foi posteriormente estendido para "megabyte", significando 1024 2 (1 048 576) bytes, e mais tarde "gigabyte" para 1024 3 (1 073 741 824) bytes. Por exemplo, um módulo de RAM de "512 megabyte" tem 512 × 1024 2 bytes (512 × 1 048 576 ou 536 870 912), em vez de 512 000 000.

Os símbolos Kbit, Kbyte, Mbit e Mbyte começaram a ser usados ​​como "unidades binárias" - "bit" ou "byte" com um multiplicador que é uma potência de 1024 - no início dos anos 1970. [16] Por um tempo, as capacidades de memória eram frequentemente expressas em K, mesmo quando M poderia ter sido usado: O folheto IBM System / 370 Model 158 (1972) tinha o seguinte: "A capacidade real de armazenamento está disponível em incrementos de 512K variando de 512K a 2.048K bytes. " [17]

Megabyte foi usado para descrever o endereçamento de 22 bits do DEC PDP-11/70 (1975) [18] e gigabyte o endereçamento de 30 bits do DEC VAX-11/780 (1977).

Em 1998, a Comissão Eletrotécnica Internacional IEC introduziu os prefixos binários kibi, mebi, gibi. para significar 1024, 1024 2, 1024 3 etc., de modo que 1048576 bytes podem ser referidos inequivocamente como 1 mebibyte. Os prefixos IEC foram definidos para uso junto com o Sistema Internacional de Quantidades (ISQ) em 2009.

Editar unidades de disco

A indústria de drives de disco seguiu um padrão diferente. A capacidade da unidade de disco é geralmente especificada com prefixos de unidade com significado decimal, de acordo com as práticas de SI. Ao contrário da memória principal do computador, a arquitetura ou construção do disco não exige ou torna conveniente o uso de múltiplos binários. As unidades podem ter qualquer número prático de pratos ou superfícies, e a contagem de trilhas, bem como a contagem de setores por trilha, pode variar muito entre os designs.

O primeiro drive de disco vendido comercialmente, o IBM 350, tinha cinquenta pratos de disco físico contendo um total de 50.000 setores de 100 caracteres cada, para uma capacidade total estimada de 5 milhões de caracteres. [19] Foi introduzido em setembro de 1956.

Na década de 1960, a maioria das unidades de disco usava o formato de comprimento de bloco variável da IBM, chamado Count Key Data (CKD). [20] Qualquer tamanho de bloco pode ser especificado até o comprimento máximo da trilha. Como os cabeçalhos do bloco ocupavam espaço, a capacidade utilizável da unidade dependia do tamanho do bloco. Blocos ("registros" na terminologia da IBM) de 88, 96, 880 e 960 eram freqüentemente usados ​​porque estavam relacionados ao tamanho fixo do bloco de cartões perfurados de 80 e 96 caracteres. A capacidade do drive foi geralmente declarada sob condições de bloqueio total do histórico. Por exemplo, o pacote de disco de 3336 de 100 megabytes somente atingiu essa capacidade com um tamanho de bloco de trilha completo de 13.030 bytes.

Os disquetes para o IBM PC e compatíveis rapidamente se padronizaram em setores de 512 bytes, portanto, dois setores foram facilmente referidos como "1K". Os 3,5 polegadas "360 KB" e "720 KB" tinham 720 (lado único) e 1440 setores (lado duplo), respectivamente. Quando os disquetes de alta densidade "1,44 MB" apareceram, com 2.880 desses setores de 512 bytes, essa terminologia representou uma definição decimal binária híbrida de "1 MB" = 2 10 × 10 3 = 1 024 000 bytes.

Em contraste, os fabricantes de discos rígidos usaram megabytes ou MB, significando 10 6 bytes, para caracterizar seus produtos já em 1974. [21] Em 1977, em sua primeira edição, Disk / Trend, uma consultoria líder de marketing da indústria de drives de disco rígido segmentou a indústria de acordo com MBs (sentido decimal) de capacidade . [22]

Um dos primeiros discos rígidos da história da computação pessoal, o Seagate ST-412, foi especificado como Formatado: 10,0 Megabytes. [23] A unidade contém quatro cabeças e superfícies ativas (trilhas por cilindro), 306 cilindros. Quando formatado com um tamanho de setor de 256 bytes e 32 setores / trilha, tem uma capacidade de 10 027 008 bytes. Esta unidade era um dos vários tipos instalados no IBM PC / XT [24] e amplamente anunciada e relatada como uma unidade de disco rígido de "10 MB" (formatada). [25] A contagem de cilindros de 306 não é convenientemente próxima a qualquer potência de 1024 sistemas operacionais e programas usando os prefixos binários habituais mostram isso como 9,5625 MB. Muitos drives posteriores no mercado de computadores pessoais usaram 17 setores por trilha, ainda mais tarde, a gravação de bits de zona foi introduzida, fazendo com que o número de setores por trilha variasse da trilha externa para a interna.

A indústria de disco rígido continua a usar prefixos decimais para capacidade da unidade, bem como para taxa de transferência. Por exemplo, um disco rígido de "300 GB" oferece um pouco mais de 300 × 10 9 ou 300 000 000 000 bytes, e não 300 × 2 30 (o que seria cerca de 322 × 10 9). Sistemas operacionais como o Microsoft Windows que exibem tamanhos de disco rígido usando o prefixo binário habitual "GB" (como é usado para RAM) exibiriam isso como "279,4 GB" (significando 279,4 × 1024 3 bytes, ou 279,4 × 1 073 741 824 B). Por outro lado, desde a versão 10.6, o macOS mostra o tamanho do disco rígido usando prefixos decimais (combinando, assim, com a embalagem dos fabricantes do disco). (As versões anteriores do Mac OS X usavam prefixos binários.)

Os fabricantes de unidades de disco às vezes usam Ambas Prefixos IEC e SI com seus significados padronizados. A Seagate especificou taxas de transferência de dados em manuais selecionados de alguns discos rígidos com ambas as unidades, com a conversão entre as unidades claramente mostrada e os valores numéricos ajustados de acordo. [26] As unidades de "Formato avançado" usam o termo "setores de 4K", que define como tendo o tamanho de "4096 (4K) bytes". [27]

Transferência de informações e taxas de relógio Editar

As frequências do relógio do computador são sempre citadas usando prefixos SI em seu sentido decimal. Por exemplo, a frequência do clock interno do IBM PC original era 4,77 MHz, ou seja, 4 770 000 Hz. Da mesma forma, as taxas de transferência de informações digitais são cotadas usando prefixos decimais:

  • A interface de disco ATA-100 refere-se a 100.000.000 bytes por segundo
  • Um modem "56K" refere-se a 56.000 bits por segundo
  • SATA-2 tem uma taxa de bits bruta de 3 Gbit / s = 3.000.000.000 bits por segundo
  • PC2-6400 RAM transfere 6.400.000.000 bytes por segundo
  • Firewire 800 tem uma taxa bruta de 800 milhões de bits por segundo
  • Em 2011, a Seagate especificou a taxa de transferência sustentada de alguns modelos de unidade de disco rígido com prefixos decimais e binários IEC. [26]

Padronização de definições duais Editar

Em meados da década de 1970, era comum ver K significando 1024 e o M ocasional significando 1 048 576 para palavras ou bytes da memória principal (RAM), enquanto K e M eram comumente usados ​​com seu significado decimal para armazenamento em disco. Na década de 1980, à medida que as capacidades de ambos os tipos de dispositivos aumentaram, o prefixo SI G, com significado de SI, foi comumente aplicado ao armazenamento em disco, enquanto M em seu significado binário tornou-se comum para memória de computador. Na década de 1990, o prefixo G, em seu significado binário, tornou-se comumente usado para a capacidade de memória do computador. A primeira unidade de disco rígido de terabyte (prefixo SI, 1 000 000 000 000 bytes) foi introduzida em 2007. [28]

O uso duplo dos prefixos kilo (K), mega (M) e giga (G) como potências de 1000 e potências de 1024 foi registrado em padrões e dicionários. Por exemplo, a 1986 ANSI / IEEE Std 1084-1986 [29] definiu usos duplos para quilo e mega.

quilo (K). (1) Um prefixo indicando 1000. (2) Em declarações envolvendo o tamanho do armazenamento do computador, um prefixo indicando 2 10 ou 1024.

mega (M). (1) Um prefixo que indica um milhão. (2) Em declarações envolvendo o tamanho do armazenamento do computador, um prefixo indicando 2 20 ou 1048576.

As unidades binárias Kbyte e Mbyte foram formalmente definidas no ANSI / IEEE Std 1212-1991. [30]

Muitos dicionários observaram a prática de usar prefixos tradicionais para indicar múltiplos binários. [31] [32] O dicionário online Oxford define, por exemplo, megabyte como: "Computação: uma unidade de informação igual a um milhão ou (estritamente) 1 048 576 bytes." [33]

As unidades Kbyte, Mbyte e Gbyte são encontradas na imprensa especializada e em periódicos do IEEE. Gigabyte foi formalmente definido no IEEE Std 610.10-1994 como 1 000 000 000 ou 2 30 bytes. [34] Kilobyte, Kbyte e KB são unidades equivalentes e todas são definidas no padrão obsoleto, IEEE 100–2000. [35]

A indústria de hardware mede a memória do sistema (RAM) usando o significado binário, enquanto o armazenamento em disco magnético usa a definição de SI. No entanto, existem muitas exceções. A rotulagem de disquetes usa o megabyte para denotar 1024 × 1000 bytes. [36] No mercado de discos ópticos, os discos compactos usam MB para significar 1024 2 bytes enquanto os DVDs usam GB para significar 1000 3 bytes. [37] [38]

Desvio entre potências de 1024 e potências de 1000 Editar

O armazenamento do computador tornou-se mais barato por unidade e, portanto, maior, em muitas ordens de magnitude, uma vez que "K" foi usado pela primeira vez para significar 1024. Porque ambos os significados SI e "binário" de quilo, mega, etc., são baseados em potências de 1000 ou 1024 em vez de múltiplos simples, a diferença entre 1M "binário" e 1M "decimal" é proporcionalmente maior do que entre 1K "binário" e 1k "decimal" e assim por diante. A diferença relativa entre os valores nas interpretações binária e decimal aumenta, ao usar os prefixos SI como base, de 2,4% para o quilo a quase 21% para o prefixo yotta.

Confusão do consumidor Editar

Nos primeiros dias dos computadores (aproximadamente, antes do advento dos computadores pessoais), havia pouca ou nenhuma confusão para o consumidor por causa da sofisticação técnica dos compradores e sua familiaridade com os produtos. Além disso, era comum os fabricantes de computadores especificarem seus produtos com capacidade de precisão total. [39]

Na era da computação pessoal, uma fonte de confusão para o consumidor é a diferença na maneira como muitos sistemas operacionais exibem os tamanhos dos discos rígidos, em comparação com a forma como os fabricantes os descrevem. Os discos rígidos são especificados e vendidos usando "GB" e "TB" em seu significado decimal: um bilhão e um trilhão de bytes. Muitos sistemas operacionais e outros softwares, no entanto, exibem o disco rígido e os tamanhos dos arquivos usando "MB", "GB" ou outros prefixos que parecem SI em seu sentido binário, assim como fazem para exibições de capacidade de RAM. Por exemplo, muitos desses sistemas exibem um disco rígido comercializado como "1 TB" como "931 GB". A primeira apresentação conhecida da capacidade da unidade de disco rígido por um sistema operacional usando "KB" ou "MB" em um sentido binário é 1984 [40]. Os sistemas operacionais anteriores geralmente apresentavam a capacidade da unidade de disco rígido como um número exato de bytes, sem prefixo de qualquer tipo, por exemplo, na saída do comando MS-DOS ou PC DOS CHKDSK.

Editar disputas legais

As diferentes interpretações dos prefixos de tamanho de disco levaram a ações judiciais coletivas contra fabricantes de armazenamento digital. Esses casos envolviam memória flash e unidades de disco rígido.

Casos iniciais Editar

Os primeiros casos (2004–2007) foram resolvidos antes de qualquer decisão judicial com os fabricantes não admitindo qualquer irregularidade, mas concordando em esclarecer a capacidade de armazenamento de seus produtos na embalagem do consumidor. Consequentemente, muitos fabricantes de memória flash e disco rígido têm divulgações em suas embalagens e websites esclarecendo a capacidade formatada dos dispositivos ou definindo MB como 1 milhão de bytes e 1 GB como 1 bilhão de bytes. [41] [42] [43] [44]

Willem Vroegh v. Eastman Kodak Company Editar

Em 20 de fevereiro de 2004, Willem Vroegh moveu um processo contra Lexar Media, Dane – Elec Memory, Fuji Photo Film USA, Eastman Kodak Company, Kingston Technology Company, Inc., Memorex Products, Inc. PNY Technologies Inc., SanDisk Corporation, Verbatim Corporation e Viking Interworks alegando que suas descrições da capacidade de seus cartões de memória flash eram falsas e enganosas.

Vroegh afirmou que um dispositivo de memória Flash de 256 MB tinha apenas 244 MB de memória acessível. "Os Requerentes alegam que os Réus comercializaram a capacidade de memória de seus produtos assumindo que um megabyte equivale a um milhão de bytes e um gigabyte equivale a um bilhão de bytes." Os demandantes queriam que os réus usassem os valores tradicionais de 1024 2 para megabyte e 1024 3 para gigabyte. Os demandantes reconheceram que os padrões IEC e IEEE definem um MB como um milhão de bytes, mas afirmaram que a indústria ignorou amplamente os padrões IEC. [45]

As partes concordaram que os fabricantes poderiam continuar a usar a definição decimal, desde que a definição fosse adicionada à embalagem e aos sites. [46] Os consumidores poderiam solicitar "um desconto de dez por cento em uma futura compra online do Dispositivo de Memória Flash das Lojas Online dos Réus". [47]

Orin Safier v. Western Digital Corporation Edit

Em 7 de julho de 2005, uma ação intitulada Orin Safier v. Western Digital Corporation, et al. foi ajuizado no Tribunal Superior da Cidade e Comarca de San Francisco, Processo nº CGC-05-442812. O caso foi posteriormente transferido para o Distrito Norte da Califórnia, Caso No. 05-03353 BZ. [48]

Embora a Western Digital afirme que o uso de unidades é consistente com "o padrão indiscutivelmente correto da indústria para medir e descrever a capacidade de armazenamento", e que "não se pode esperar que reformem a indústria de software", eles concordaram em fazer um acordo em março de 2006, em 14 de junho 2006 como a data da audiência de aprovação final. [49]

A Western Digital se ofereceu para compensar os clientes com um download gratuito de software de backup e recuperação avaliado em US $ 30. Eles também pagaram US $ 500.000 em taxas e despesas aos advogados de São Francisco, Adam Gutride e Seth Safier, que entraram com o processo. O acordo exigia que a Western Digital adicionasse uma isenção de responsabilidade à sua embalagem e publicidade posteriores. [50] [51] [52]

Cho v. Seagate Technology (US) Holdings, Inc. Editar

Uma ação judicial (Cho v. Seagate Technology (US) Holdings, Inc., Tribunal Superior de São Francisco, Caso nº CGC-06-453195) foi movida contra a Seagate Technology, alegando que a Seagate representou excessivamente a quantidade de armazenamento utilizável em 7% no disco rígido unidades vendidas entre 22 de março de 2001 e 26 de setembro de 2007. O caso foi resolvido sem a Seagate admitir irregularidades, mas concordando em fornecer a esses compradores um software de backup gratuito ou um reembolso de 5% sobre o custo das unidades. [53]

Dinan et al. v. SanDisk LLC Edit

Em 22 de janeiro de 2020, o tribunal distrital do Distrito Norte da Califórnia decidiu a favor do réu, SanDisk, mantendo o uso de "GB" para significar 1.000.000.000 bytes. [54]

Sugestões iniciais Editar

Embora os primeiros cientistas da computação usassem k para significar 1000, alguns reconheceram a conveniência que resultaria de trabalhar com múltiplos de 1024 e a confusão que resultava do uso dos mesmos prefixos para dois significados diferentes.

Várias propostas para prefixos binários exclusivos [defn. 2] foram feitos em 1968. Donald Morrison propôs usar a letra grega kappa (κ) para denotar 1024, κ 2 para denotar 1024 2 e assim por diante. [55] (Na época, o tamanho da memória era pequeno, e apenas K estava em uso generalizado.) Wallace Givens respondeu com uma proposta para usar bK como uma abreviatura para 1024 e bK2 ou bK 2 para 1024 2, embora ele tenha notado que nenhum a letra grega nem a letra b minúscula seriam fáceis de reproduzir nas impressoras de computador da época. [56] Bruce Alan Martin, do Laboratório Nacional de Brookhaven, propôs ainda que os prefixos sejam totalmente abandonados e a letra B seja usada para expoentes de base 2, semelhante a E em notação científica decimal, para criar abreviações como 3B20 para 3 × 2 20, [57] uma convenção ainda usada em algumas calculadoras para apresentar números de ponto flutuante binários hoje. [58]

Nenhum deles obteve muita aceitação, e a capitalização da letra K tornou-se o de fato padrão para indicar um fator de 1024 em vez de 1000, embora isso não pudesse ser estendido para potências superiores.

À medida que a discrepância entre os dois sistemas aumentava nas potências de ordem superior, mais propostas de prefixos únicos foram feitas. Em 1996, Markus Kuhn propôs um sistema com di prefixos, como o "dikilobyte" (K₂B ou K2B). [59] Donald Knuth, que usa notação decimal como 1 MB = 1000 kB, [60] expressou "espanto" que a proposta da IEC foi adotada, chamando-a de "estranha" e opinando que os proponentes estavam assumindo "que os padrões são automaticamente adotados só porque eles estão lá. " Knuth propôs que os poderes de 1024 fossem designados como "grandes kilobytes" e "grandes megabytes" (abreviados KKB e MMB, pois "dobrar a letra denota tanto binário quanto grande"). [61] Prefixos duplos já foram abolidos de SI, no entanto, tendo um significado multiplicativo ("MMB" seria equivalente a "TB"), e este uso proposto nunca ganhou qualquer tração.

Prefixos IEC Editar

O conjunto de prefixos binários que eventualmente foram adotados, agora referido como os "prefixos IEC", [defn. 4] foram propostas pela primeira vez pelo Comitê Interdivisional de Nomenclatura e Símbolos (IDCNS) da União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC) em 1995. Naquela época, foi proposto que os termos kilobyte e megabyte fossem usados ​​apenas para 10 3 bytes e 10 6 bytes, respectivamente. Os novos prefixos kibi (quilobinário), mebi (megabinário), gibi (gigabinário) e tebi (terabinário) também foram propostos na época, e os símbolos propostos para os prefixos eram kb, Mb, Gb e Tb, respectivamente, em vez de Ki, Mi, Gi e Ti. [62] A proposta não foi aceita na época.

O Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos (IEEE) começou a colaborar com a Organização Internacional de Padronização (ISO) e a Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC) para encontrar nomes aceitáveis ​​para prefixos binários. IEC proposto kibi, mebi, gibi e tebi, com os símbolos Ki, Mi, Gi e Ti respectivamente, em 1996. [63]

Os nomes para os novos prefixos são derivados dos prefixos SI originais combinados com o termo binário, mas contraído, pegando as duas primeiras letras do prefixo SI e "bi" do binário. A primeira letra de cada um desses prefixos é, portanto, idêntica aos prefixos SI correspondentes, exceto para "K", que é usado alternadamente com "k", enquanto em SI, apenas o k minúsculo representa 1000.

O IEEE decidiu que seus padrões usariam os prefixos quilo, etc. com suas definições de métricas, mas permitia que as definições binárias fossem usadas em um período intermediário, desde que tal uso fosse explicitamente indicado caso a caso. [64]

Adoção por IEC, NIST e ISO Edit

Em janeiro de 1999, o IEC publicou a primeira norma internacional (IEC 60027-2 Alteração 2) com os novos prefixos, estendidos até pebi (Pi) e exbi (Ei). [65] [66]

A alteração 2 da IEC 60027-2 também afirma que a posição da IEC é a mesma do BIPM (o órgão que regula o sistema SI). Os prefixos SI mantêm suas definições em potências de 1000 e nunca são usados ​​para significar uma potência de 1024.

Em uso, produtos e conceitos normalmente descritos usando potências de 1024 continuariam a ser, mas com os novos prefixos IEC. Por exemplo, um módulo de memória de 536 870 912 bytes (512 × 1 048 576) seria referido como 512 MiB ou 512 mebibytes em vez de 512 MB ou 512 megabytes. Por outro lado, uma vez que os discos rígidos têm sido historicamente comercializados usando a convenção SI de que "giga" significa 1.000.000.000, um disco rígido de "500 GB" ainda seria rotulado como tal. De acordo com essas recomendações, os sistemas operacionais e outros softwares também usariam prefixos binários e SI da mesma maneira, de modo que o comprador de um disco rígido de "500 GB" encontraria o relatório do sistema operacional "500 GB" ou "466 GiB", enquanto 536 870 912 bytes de RAM seriam exibidos como "512 MiB".

A segunda edição da norma, publicada em 2000, [67] os definiu apenas até exbi, [68] mas em 2005, a terceira edição adicionou prefixos zebi e yobi, combinando assim todos os prefixos SI com contrapartes binárias. [69]

A norma harmonizada ISO / IEC IEC 80000-13: 2008 cancela e substitui as subseções 3.8 e 3.9 da IEC 60027-2: 2005 (aquelas que definem prefixos para múltiplos binários). A única mudança significativa é a adição de definições explícitas para algumas quantidades. [70] Em 2009, os prefixos kibi-, mebi-, etc. foram definidos pela ISO 80000-1 em seu próprio direito, independentemente do kibibyte, mebibyte e assim por diante.

O padrão BIPM JCGM 200: 2012 "Vocabulário internacional de metrologia - conceitos básicos e gerais e termos associados (VIM), 3ª edição" lista os prefixos binários IEC e declara "Os prefixos SI referem-se estritamente a potências de 10 e não devem ser usados ​​para potências de 2. Por exemplo, 1 kilobit não deve ser usado para representar 1024 bits (2 10 bits), que é 1 kibibit. " [71]

Unidades específicas de IEC 60027-2 A.2 e ISO / IEC 80000: 13-2008
Prefixo IEC Representações
Nome Símbolo Base 2 Base 1024 Valor Base 10
kibi Ki 2 10 1024 1 1024 = 1.024 × 10 3
mebi Mi 2 20 1024 2 1 048 576 ≈ 1.049 × 10 6
gibi Gi 2 30 1024 3 1 073 741 824 ≈ 1.074 × 10 9
tebi Ti 2 40 1024 4 1 099 511 627 776 ≈ 1.100 × 10 12
pebi Pi 2 50 1024 5 1 125 899 906 842 624 ≈ 1.126 × 10 15
exbi Ei 2 60 1024 6 1 152 921 504 606 846 976 ≈ 1.153 × 10 18
zebi Zi 2 70 1024 7 1 180 591 620 717 411 303 424 ≈ 1.181 × 10 21
yobi Yi 2 80 1024 8 1 208 925 819 614 629 174 706 176 ≈ 1.209 × 10 24

Outros órgãos de normalização e organizações Editar

Os prefixos binários do padrão IEC agora são suportados por outros organismos de padronização e organizações técnicas.

O Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos Estados Unidos (NIST) apóia os padrões ISO / IEC para "Prefixos para múltiplos binários" e tem um site que os documenta, descreve e justifica seu uso. O NIST sugere que em inglês, a primeira sílaba do nome do prefixo binário-múltiplo deve ser pronunciada da mesma maneira que a primeira sílaba do nome do prefixo SI correspondente, e que a segunda sílaba deve ser pronunciada como Abelha. [2] O NIST declarou que os prefixos SI "referem-se estritamente a potências de 10" e que as definições binárias "não devem ser usadas" para eles. [72]

O órgão de padrões da indústria de microeletrônica JEDEC descreve os prefixos IEC em seu dicionário online com uma nota: "As definições de quilo, giga e mega com base em potências de dois são incluídas apenas para refletir o uso comum." [73] Os padrões JEDEC para memória de semicondutor usam os símbolos de prefixo K, M e G no sentido binário. [74]

Em 19 de março de 2005, o padrão IEEE IEEE 1541-2002 ("Prefixos para múltiplos binários") foi elevado a um padrão de uso completo pela IEEE Standards Association após um período de teste de dois anos. [75] [76] No entanto, a partir de abril de 2008 [atualização], a divisão de Publicações IEEE não exige o uso de prefixos IEC em suas principais revistas, como Espectro [77] ou Computador. [78]

The International Bureau of Weights and Measures (BIPM), which maintains the International System of Units (SI), expressly prohibits the use of SI prefixes to denote binary multiples, and recommends the use of the IEC prefixes as an alternative since units of information are not included in SI. [79] [80]

The Society of Automotive Engineers (SAE) prohibits the use of SI prefixes with anything but a power-of-1000 meaning, but does not recommend or otherwise cite the IEC binary prefixes. [81]

The European Committee for Electrotechnical Standardization (CENELEC) adopted the IEC-recommended binary prefixes via the harmonization document HD 60027-2:2003-03. [82] The European Union (EU) has required the use of the IEC binary prefixes since 2007. [83]

Most computer hardware uses SI prefixes [defn. 1] to state capacity and define other performance parameters such as data rate. Main and cache memories are notable exceptions.

Capacities of main memory and cache memory are usually expressed with customary binary prefixes [defn. 5] [84] [85] [86] On the other hand, flash memory, like that found in solid state drives, mostly uses SI prefixes [defn. 1] to state capacity.

Some operating systems and other software continue to use the customary binary prefixes in displays of memory, disk storage capacity, and file size, but SI prefixes [defn. 1] in other areas such as network communication speeds and processor speeds.

In the following subsections, unless otherwise noted, examples are first given using the common prefixes used in each case, and then followed by interpretation using other notation where appropriate.

Operating systems Edit

Prior to the release of Macintosh System Software (1984), file sizes were typically reported by the operating system without any prefixes. [ citação necessária ] Today, most operating systems report file sizes with prefixes.

  • The Linux kernel uses standards-compliant decimal and binary prefixes when booting up. [87][88] However, many Unix-like system utilities, such as the ls command, use powers of 1024 indicated as K/M (customary binary prefixes) if called with the ‘‘-h’’ option. They give the exact value in bytes otherwise. The GNU versions will also use powers of 10 indicated with k/M if called with the ‘‘--si’’ option.
    • The UbuntuLinux distribution uses the IEC prefixes for base-2 numbers as of the 10.10 release. [89][90]

    Software Edit

    As of February 2010 [update] , most software does not distinguish symbols for binary and decimal prefixes. [defn. 3] The IEC binary naming convention has been adopted by a few, but this is not used universally.

    One of the stated goals of the introduction of the IEC prefixes was "to preserve the SI prefixes as unambiguous decimal multipliers." [75] Programs such as fdisk/cfdisk, parted, and apt-get use SI prefixes with their decimal meaning.

    GNOME's partition editor uses IEC prefixes to display partition sizes. The total capacity of the 120×10 9 -byte disk is displayed as "111.79 GiB"

    GNOME's system monitor uses IEC prefixes to show memory size and networking data rate.

    BitTornado uses standard SI prefixes for data rates and IEC prefixes for file sizes

    Deluge (BitTorrent client) uses IEC prefixes for data rates as well as file sizes

    Example of the use of IEC binary prefixes in the Linux operating system displaying traffic volume on a network interface in kibibytes (KiB) and mebibytes (MiB), as obtained with the ifconfig utility:

    Software that uses IEC binary prefixes for powers of 1024 e uses standard SI prefixes for powers of 1000 includes:

    Software that uses standard SI prefixes for powers of 1000, but não IEC binary prefixes for powers of 1024, includes:

    Software that supports decimal prefixes for powers of 1000 e binary prefixes for powers of 1024 (but does not follow SI or IEC nomenclature for this) includes:

    Computer hardware Edit

    Hardware types that use powers-of-1024 multipliers, such as memory, continue to be marketed with customary binary prefixes.

    Computer memory Edit

    Measurements of most types of electronic memory such as RAM and ROM are given using customary binary prefixes (kilo, mega, and giga). This includes some flash memory, like EEPROMs. For example, a "512-megabyte" memory module is 512 × 2 ^ 20 bytes (512 × 1 048 576 , or 536 870 912 ).

    JEDEC Solid State Technology Association, the semiconductor engineering standardization body of the Electronic Industries Alliance (EIA), continues to include the customary binary definitions of kilo, mega and giga in their Terms, Definitions, and Letter Symbols document, [111] and uses those definitions in later memory standards [112] [113] [114] [115] [116] (See also JEDEC memory standards.)

    Many computer programming tasks reference memory in terms of powers of two because of the inherent binary design of current hardware addressing systems. For example, a 16-bit processor register can reference at most 65,536 items (bytes, words, or other objects) this is conveniently expressed as "64K" items. An operating system might map memory as 4096-byte pages, in which case exactly 8192 pages could be allocated within 33 554 432 bytes of memory: "8K" (8192) pages of "4 kilobytes" (4096 bytes) each within "32 megabytes" (32 MiB) of memory.

    Hard disk drives Edit

    Flash drives Edit

    USB flash drives, flash-based memory cards like CompactFlash or Secure Digital, and flash-based solid-state drives (SSDs) use SI prefixes [defn. 1] for example, a "256 MB" flash card provides at least 256 million bytes ( 256 000 000 ), not 256×1024×1024 ( 268 435 456 ). [44] The flash memory chips inside these devices contain considerably more than the quoted capacities, but much like a traditional hard drive, some space is reserved for internal functions of the flash drive. These include wear leveling, error correction, sparing, and metadata needed by the device's internal firmware.

    Floppy drives Edit

    Floppy disks have existed in numerous physical and logical formats, and have been sized inconsistently. In part, this is because the end user capacity of a particular disk is a function of the controller hardware, so that the same disk could be formatted to a variety of capacities. In many cases, the media are marketed without any indication of the end user capacity, as for example, DSDD, meaning double-sided double-density.

    The last widely adopted diskette was the 3½-inch high density. This has a formatted capacity of 1 474 560 bytes or 1440 KB (1440 × 1024, using "KB" in the customary binary sense). These are marketed as "HD", or "1.44 MB" or both. This usage creates a third definition of "megabyte" as 1000×1024 bytes.

    Most operating systems display the capacity using "MB" in the customary binary sense, resulting in a display of "1.4 MB" ( 1.406 25 MiB ). Some users have noticed the missing 0.04 MB and both Apple and Microsoft have support bulletins referring to them as 1.4 MB. [36]

    The earlier "1200 KB" (1200×1024 bytes) 5¼-inch diskette sold with the IBM PC AT was marketed as "1.2 MB" ( 1.171 875 MiB ). The largest 8-inch diskette formats could contain more than a megabyte, and the capacities of those devices were often irregularly specified in megabytes, also without controversy.

    Older and smaller diskette formats were usually identified as an accurate number of (binary) KB, for example the Apple Disk II described as "140KB" had a 140×1024-byte capacity, and the original "360KB" double sided, double density disk drive used on the IBM PC had a 360×1024-byte capacity.

    In many cases diskette hardware was marketed based on unformatted capacity, and the overhead required to format sectors on the media would reduce the nominal capacity as well (and this overhead typically varied based on the size of the formatted sectors), leading to more irregularities.

    Optical discs Edit

    The capacities of most optical disc storage media like DVD, Blu-ray Disc, HD DVD and magneto-optical (MO) are given using SI decimal prefixes. A "4.7 GB" DVD has a nominal capacity of about 4.38 GiB. [38] However, CD capacities are always given using customary binary prefixes. Thus a "700-MB" (or "80-minute") CD has a nominal capacity of about 700 MiB (approx 730 MB). [37]

    Tape drives and media Edit

    Tape drive and media manufacturers use SI decimal prefixes to identify capacity. [122] [123]

    Data transmission and clock rates Edit

    Certain units are always used with SI decimal prefixes even in computing contexts. Two examples are hertz (Hz), which is used to measure the clock rates of electronic components, and bit/s, used to measure data transmission speed.

    • A 1-GHz processor receives 1 000 000 000 clock ticks per second.
    • A sound file sampled at 44.1 kHz has 44 100 samples per second.
    • A 128 kbit/s MP3 stream consumes 128 000 bits (16 kilobytes, 15.6 KiB ) per second.
    • A 1 Mbit/s Internet connection can transfer 1 000 000 bits per second ( 125 000 bytes per second ≈ 122 KiB/s , assuming an 8-bit byte and no overhead)
    • A 1 Gbit/s Ethernet connection can transfer at nominal speed of 1 000 000 000 bits per second ( 125 000 000 bytes per second ≈ 119 MiB/s , assuming an 8-bit byte and no overhead)
    • A 56k modem transfers 56 000 bits per second ≈ 6.8 KiB/s .

    Bus clock speeds and therefore bandwidths are both quoted using SI decimal prefixes.

      memory on a double data rate bus, transferring 8 bytes per cycle with a clock speed of 200 MHz ( 200 000 000 cycles per second) has a bandwidth of 200 000 000 × 8 × 2 = 3 200 000 000 B/s = 3.2 GB/s (about 3.0 GiB/s ).
  • A PCI-X bus at 66 MHz ( 66 000 000 cycles per second), 64 bits per transfer, has a bandwidth of 66 000 000 transfers per second × 64 bits per transfer = 4 224 000 000 bit/s, or 528 000 000 B/s, usually quoted as 528 MB/s (about 503 MiB/s ).
  • Use by industry Edit

    IEC prefixes are used by Toshiba, [124] IBM, HP to advertise or describe some of their products. According to one HP brochure, [5] [ link morto ] "[t]o reduce confusion, vendors are pursuing one of two remedies: they are changing SI prefixes to the new binary prefixes, or they are recalculating the numbers as powers of ten." The IBM Data Center also uses IEC prefixes to reduce confusion. [125] The IBM Style Guide reads [126]

    To help avoid inaccuracy (especially with the larger prefixes) and potential ambiguity, the International Electrotechnical Commission (IEC) in 2000 adopted a set of prefixes specifically for binary multipliers (See IEC 60027-2). Their use is now supported by the United States National Institute of Standards and Technology (NIST) and incorporated into ISO 80000. They are also required by EU law and in certain contexts in the US. However, most documentation and products in the industry continue to use SI prefixes when referring to binary multipliers. In product documentation, follow the same standard that is used in the product itself (for example, in the interface or firmware). Whether you choose to use IEC prefixes for powers of 2 and SI prefixes for powers of 10, or use SI prefixes for a dual purpose . be consistent in your usage and explain to the user your adopted system.


    Conteúdo

    O termo gigabyte has a standard definition of 1000 3 bytes, as well as a discouraged meaning of 1024 3 bytes. The latter binary usage originated as compromise technical jargon for byte multiples that needed to be expressed in a power of 2, but lacked a convenient name. As 1024 (2 10 ) is approximately 1000 (10 3 ), roughly corresponding to SI multiples, it was used for binary multiples as well.

    In 1998 the International Electrotechnical Commission (IEC) published standards for binary prefixes, requiring that the gigabyte strictly denote 1000 3 bytes and gibibyte denote 1024 3 bytes. By the end of 2007, the IEC Standard had been adopted by the IEEE, EU, and NIST, and in 2009 it was incorporated in the International System of Quantities. Nevertheless, the term gigabyte continues to be widely used with the following two different meanings:

    Base 10 (decimal) Edit

    Based on powers of 10, this definition uses the prefix giga- as defined in the International System of Units (SI). This is the recommended definition by the International Electrotechnical Commission (IEC). [2] This definition is used in networking contexts and most storage media, particularly hard drives, flash-based storage, [3] [4] [5] and DVDs, and is also consistent with the other uses of the SI prefix in computing, such as CPU clock speeds or measures of performance. The file manager of Mac OS X version 10.6 and later versions are a notable example of this usage in software, which report files sizes in decimal units. [6]

    Base 2 (binary) Edit

    The binary definition uses powers of the base 2, as does the architectural principle of binary computers. This usage is widely promulgated by some operating systems, such as Microsoft Windows in reference to computer memory (e.g., RAM). This definition is synonymous with the unambiguous unit gibibyte.

    Since the first disk drive, the IBM 350, disk drive manufacturers expressed hard drive capacities using decimal prefixes. With the advent of gigabyte-range drive capacities, manufacturers based most consumer hard drive capacities in certain size classes expressed in decimal gigabytes, such as "500 GB". The exact capacity of a given drive model is usually slightly larger than the class designation. Practically all manufacturers of hard disk drives and flash-memory disk devices [3] [4] continue to define one gigabyte as 1 000 000 000 bytes , which is displayed on the packaging. Some operating systems such as OS X [7] express hard drive capacity or file size using decimal multipliers, while others such as Microsoft Windows report size using binary multipliers. This discrepancy causes confusion, as a disk with an advertised capacity of, for example, 400 GB (meaning 400 000 000 000 bytes , equal to 372 GiB) might be reported by the operating system as " 372 GB ".

    The JEDEC memory standards use IEEE 100 nomenclature which quote the gigabyte as 1 073 741 824 bytes (2 30 bytes). [8]

    The difference between units based on decimal and binary prefixes increases as a semi-logarithmic (linear-log) function—for example, the decimal kilobyte value is nearly 98% of the kibibyte, a megabyte is under 96% of a mebibyte, and a gigabyte is just over 93% of a gibibyte value. This means that a 300 GB (279 GiB) hard disk might be indicated variously as "300 GB", "279 GB" or "279 GiB", depending on the operating system. As storage sizes increase and larger units are used, these differences become more pronounced.

    US lawsuits Edit

    The most recent lawsuits arising from alleged consumer confusion over the binary and decimal definitions used for "gigabyte" have ended in favor of the manufacturers, with courts holding that the legal definition of gigabyte or GB is 1 GB = 1,000,000,000 (10 9 ) bytes (the decimal definition) rather than the binary definition (2 30 ) for commercial transactions. Specifically, the courts held that "the U.S. Congress has deemed the decimal definition of gigabyte to be the 'preferred' one for the purposes of 'U.S. trade and commerce' . The California Legislature has likewise adopted the decimal system for all 'transactions in this state'." [9]

    Earlier lawsuits had ended in settlement with no court ruling on the question, such as a lawsuit against drive manufacturer Western Digital. [10] [11] Western Digital settled the challenge and added explicit disclaimers to products that the usable capacity may differ from the advertised capacity. [10] Seagate was sued on similar grounds and also settled. [10] [12]

    Other contexts Edit

    Because of their physical design, the capacity of modern computer random access memory devices, such as DIMM modules, is always a multiple of a power of 1024. It is thus convenient to use prefixes denoting powers of 1024, known as binary prefixes, in describing them. For example, a memory capacity of 1 073 741 824 bytes is conveniently expressed as 1 GiB rather than as 1.074 GB. The former specification is, however, often quoted as "1 GB" when applied to random access memory. [13]

    Software allocates memory in varying degrees of granularity as needed to fulfill data structure requirements and binary multiples are usually not required. Other computer capacities and rates, like storage hardware size, data transfer rates, clock speeds, operations per second, etc., do not depend on an inherent base, and are usually presented in decimal units. For example, the manufacturer of a "300 GB" hard drive is claiming a capacity of 300 000 000 000 bytes , not 300 × 1024 3 (which would be 322 122 547 200 ) bytes.

    • One hour of SDTV video at 2.2 Mbit/s is approximately 1 GB.
    • Seven minutes of HDTV video at 19.39 Mbit/s is approximately 1 GB.
    • 114 minutes of uncompressed CD-quality audio at 1.4 Mbit/s is approximately 1 GB.
    • A single layer DVD+R disc can hold about 4.7 GB.
    • A dual-layered DVD+R disc can hold about 8.5 GB.
    • A single layer Blu-ray can hold about 25 GB.
    • A dual-layered Blu-ray can hold about 50 GB.

    The "gigabyte" symbol is encoded by Unicode at code point U+3387 ㎇ SQUARE GB ❰ ㎇ ❱. [14]


    Terabytes

    Terabyte (TB) is a digital information measurement unit which is going to be extensively used in the nearest future for measuring the size of computer RAM, etc., but now it is used for measuring the amount of digital information in online libraries, digital archives, and so on. 1 terabyte is equal to 1000 gigabytes, or 10 12 bytes. However, in terms of information technology or computer science, 1 TB is 2 40 or 1024 4 bytes, which is equal to 1,099,511,627,776 bytes.


    Difference Between Megabyte and Gigabyte

    The basic unit of any digital storage is the bit, which can store a single 1 or 0 these are then grouped into 8 and called a byte. Over the years, the amount of memory has constantly increased. We then had the kilobyte, then the megabyte, and now the gigabyte. There are other much higher labels but those are not yet as common. The main difference between the megabyte and the gigabyte is how many bytes they contain. A megabyte contains 220 bytes (1,048,576 bytes) while a gigabyte contains 230 bytes (1,073,741,824 bytes). So considering that, a gigabyte can be composed of 210 megabytes (1024 megabytes). 1024 is the number for every step in the scale. Basically, a kilobyte has 1024 bytes, a megabyte has 1024 kilobytes, and a gigabyte has 1024 megabytes.

    In usual mathematics, each step is multiplied by 1000 or 103. When this was established, storage was measured in kilobytes it was therefore determined that the excess 24 bytes is too little and can be easily disregarded to simplify things. But as you can see, it easily compounds as you move up the scale. Many hard drive manufacturers take advantage of this discrepancy in marketing their products.

    For example, a hard drive that has a marketed capacity of 500GB has an actual capacity of 5𴡅 bytes (500,000,000,000), which is correct when you consider that the suffix mega in mathematics is 109. But when you look at the drive in your computer, a few gigabytes would mysteriously disappear. Some think that it is because the operating or file system takes up all that space, but that is untrue. When you divide 500,000,000,000 with the 1,073,741,824 bytes that composes a gigabyte, you get an actual capacity of 465.66GB. The file system may take up some space to hold the structure but it is nowhere near 34GB.

    Because of this, a new standard has been created for digital information. The replacement for megabyte is the mebibyte and the replacement for gigabyte is the gibibyte. Although these units are more accurate in describing capacity, adoption is relatively slow due to people’s familiarity with the older system and manufacturer’s reluctance to use a standard that would lower their advertised capacities.


    Interlace pattern artifacts

    On some monitors, particularly but not exclusively those with high refresh rates, interlace patterns can be seen during certain transitions. We refer to these as ‘interlace pattern artifacts’ but some users refer to them as ‘inversion artifacts’ and others as ‘scan lines’. They may appear as an interference pattern, mesh or interlaced lines which break up a given shade into a darker and lighter version of what is intended. They often catch the eye due to their dynamic nature, on models where they manifest themselves in this way. Alternatively, static interlace patterns may be seen with some shades appearing as faint horizontal or vertical bands of a slightly lighter and slightly darker version of the intended shade.

    We did not observe any static interlace patterns on this model. Under certain conditions we observed some dynamic ‘interlace pattern artifacts’, fine interlaced vertical lines during movement or when scanning our eyes across the screen in a certain way. They were very faint and difficult to spot at higher refresh rates, including 170Hz but anything in the triple digits really. They were more noticeable at relatively low refresh rates of

    60Hz or lower. They aren’t something most users would notice or find bothersome, especially at higher refresh rates.


    Knowledge Base

    1 bit = a 1 or 0 (b)
    4 bits = 1 nybble (?)
    8 bits = 1 byte (B)
    1024 bytes = 1 Kilobyte (KB)
    1024 Kilobytes = 1 Megabyte (MB)
    1024 Megabytes = 1 Gigabyte (GB)
    1024 Gigabytes = 1 Terabyte (TB)
    1024 Terabytes = 1 Petabyte (PB)

    Common prefixes:
    - kilo, meaning 1,000. (one thousand) 10^3 (Kilometer, 1,000 meters)
    - mega, meaning 1,000,000. (one million) 10^6 (Megawatt, 1,000,000 watts)
    - giga, meaning 1,000,000,000 (one billion) 10^9 (Gigawatt, 1,000,000,000 watts)
    - tera, meaning 1,000,000,000,000 (one trillion) 10^12
    - peta, meaning 1,000,000,000,000,000 (one quadrillion ) 10^15

    The smallest amount of transfer is one bit. It holds the value of a 1, or a 0. (Binary coding). Eight of these 1's and zero's are called a byte.

    Why eight? The earliest computers could only send 8 bits at a time, it was only natural to start writing code in sets of 8 bits. This came to be called a byte.

    A bit is represented with a lowercase "b," whereas a byte is represented with an uppercase "b" (B). So Kb is kilobits, and KB is kilobytes. A kilobyte is eight times larger than a kilobit.

    A simple 1 or 0, times eight of these 1's and 0's put together is a byte. The string of code: 10010101 is exactly one byte. So a small gif image, about 4 KB has about 4000 lines of 8 1's and 0's. Since there are 8 per line, that's over (4000 x 8) 32,000 1's and 0's just for a single gif image.

    How many bytes are in a kilobyte (KB)? One may think it's 1000 bytes, but its really 1024. Why is this so? It turns out that our early computer engineers, who dealt with the tiniest amounts of storage, noticed that 2^10 (1024) was very close to 10^3 (1000) so based on the prefix kilo, for 1000, they created the KB. (You may have heard of kilometers (Km) which is 1000 meters). So in actuality, one KB is really 1024 bytes, not 1000. It's a small difference, but it adds up over a while.

    The MB, or megabyte, mega meaning one million. Seems logical that one mega (million) byte would be 1,000,000 (one million) bytes. It's not however. One megabyte is 1024 x 1024 bytes. 1024 kilobytes is called one Megabyte. So one kilobyte is actually 1024 bytes, and 1024 of those is (1024 x 1024) 1048576 bytes. In short, one Megabyte is really 1,048,576 bytes.

    There is a difference of about 48 KB, which is a decent amount. If you have a calculator, you will notice that there is actually a 47KB difference. There is a difference of 48,576 bytes, divided by 1024, and you get the amount of real kilobytes. 47.4375

    All of this really comes into play when you deal with Gigabytes, or roughly one billion bytes. One real Gigabyte is actually 1024 bytes x 1024 bytes x 1024 bytes. 1,073,741,824. However, most people like to simplify this by simply saying that one Gigabyte is only 1,000,000,000 (one billion) bytes which makes sense because the prefix Giga means one billion.


    Assista o vídeo: GIGA got in my base on Official - Giganotosaurus Wild (Junho 2022).


Comentários:

  1. Zulusho

    Tópico muito curioso

  2. Dabar

    A mensagem muito engraçada é notável

  3. Geraldo

    Ótimo artigo! Posso postar no meu blog?

  4. Stancliff

    Ótimo, esta é uma peça muito valiosa.

  5. Kaimi

    Estou certo, o que já foi discutido, use a pesquisa em um fórum.

  6. Warrick

    Eu acho que você não está certo. Tenho certeza. Vamos discutir. Escreva em PM, falaremos.



Escreve uma mensagem